Canto do Inácio

Friday, May 01, 2009

"CAMINHOS PERIGOSOS" MOSTRA SCORSESE LIVRE
INÁCIO ARAUJO


Ninguém dava muita bola para Martin Scorsese quando fez "Caminhos Perigosos", em 1973. De resto, ninguém dava mais atenção a Robert de Niro ou a Harvey Keitel, hoje estrelas, do que a David Proval, o terceiro protagonista do filme.

Toda essa gente estava começando a carreira e a história dos amigos de Nova York, de Little Italy, mais precisamente, cuja grande ambição é ser um gângster. Essa é a ambição de Harvey Keitel, o amigo mais astuto, o cérebro que comanda ou tenta comandar Johnny Boy (De Niro).

Para Scorsese, o que importa mostrar no gangsterismo, desde então (e cada vez menos), é seu cotidiano, a boçalidade, a insignificância dessas pessoas. É impossível para elas ter grandeza, e quanto mais tentam, mais se revela a mixaria.

O que esse filme de começo de carreira tinha, além da pequena produção, era uma liberdade que hoje Scorsese perdeu. Afinal, certo está Eric Rohmer: o sucesso pode ser uma engrenagem terrível.

(texto publicado na Folha de S. Paulo do dia 11 de julho de 2008)

1 Comments:

  • Depois do sucesso de Taxi Driver e Touro Indomável, ficaria difícil ser o mesmo. Mas Scorsese sempre lidou bem com grandes estúdios e orçamentos mais gordos, como A última tentação de Cristo ou Bons Companheiros. Posso estar errado, mas em Gangues de Nova York, O aviador e Os infiltrados, senti algum comodismo e uma tendência ao auto-repeteco. O que não exclui o valor desses filmes, muito acima da média.
    Aliás, Scorsese também soube ser "menor" e charmoso depois, vide Depois de horas.

    By Blogger Andre de Paula Eduardo, at 7:51 AM  

Post a Comment

<< Home